Filmografia sobre Jornalismo Literário #1

Abaixo a primeira lista de uma série de filmes que permeiam o tema “Jornalismo Literário”. Para iniciar, cinco filmes que demonstram o processo de criação jornalístico/literário e o impacto dessa produção na sociedade.

 

1 – Capote, 2005, EUA/Canadá

Considerado um dos fundadores do “New Journalism” e figura essencial na consolidação do Jornalismo Literário no mundo, Truman Capote (Philip Seymour Hoffman) é personagem central do filme “Capote”. O longa-metragem relata os bastidores do livro-reportagem “A Sangue Frio”, obra que revolucionou a literatura moderna e o jornalismo. O filme, dirigido por Bennett Miller, estreou no cinema em 30 de setembro de 2005, data de nascimento de Truman Capote.

O filme, indicado a cinco Óscares, inicia a história em novembro de 1959, quando Capote lê um artigo no jornal “The New York Times” sobre o assassinato de quatro integrantes de uma conhecida família de fazendeiros em Holcomb, no Kansas. Apesar de a notícia estar publicada friamente em uma pequena nota do jornal, a matéria chamou atenção de Capote, que vê a oportunidade de transformar um acontecimento aparentemente de menor importância, nos critérios de notícia da mídia tradicional, em uma grande reportagem. Usando como argumento o impacto que o assassinato teve na pequena cidade, Capote convence a revista “The New Yorker”, especializada em Jornalismo Literário, a lhe dar uma matéria sobre o assunto e, com isso, parte para o Kansas acompanhado pela escritora Harper Lee (Catherine Keener). Após uma longa investigação na pequena cidade de Holcomb, Capote percebe que o artigo de revista poderia ser ampliado ainda mais. Surgia a ideia embrionária da produção do clássico “A Sangue Frio”.

Em atuação magnífica, Philip Seymour Hoffman, interpretou Truman Capote (foto: Attila Doroy)

Em atuação magnífica, Philip Seymour Hoffman, interpretou Truman Capote (foto: Attila Doroy)

2 – A Fogueira das Vaidades, 1990, EUA

Apesar de não ser uma obra específica sobre jornalismo literário, “A Fogueira das Vaidades” entra na lista devido ao seu criador. Baseado na novela de Tom Wolfe, um ícone do “New Journalism” e, consequentemente do Jornalismo Literário, o filme é uma amostra do lado criativo de Wolfe como escritor e sua visão crítica da sociedade norte-americana.

No enredo, Sherman McCoy (Tom Hanks) é um grande corretor de Wall Street que ganha comissões milionárias e tem a sua vida modificada bruscamente quando, ao ir com Maria Ruskin (Melanie Griffith), sua amante, para Manhattan, erra o caminho e vai parar no Bronx. Lá ele atropela um negro, fazendo com que este fato seja o ponto de partida da sua ruína e também o início da meteórica ascensão de Peter Fallow (Bruce Willis), um jornalista desconhecido. O filme é dirigido por Brian de Palma.

 

3 – Diário de um jornalista bêbado, 2011, EUA

Hunter S. Thompson (1937-2005) foi um dos grandes nomes do jornalismo mundial e considerado o pai do “Jornalismo Gonzo”, estilo conhecido por acabar com a distinção entre autor e sujeito, ficção e não-ficção e considerado uma ramificação do Jornalismo Literário. Thompson escreveu, entre sua variada obra, Rum: Diário de um Jornalista Bêbado. O livro é um livro de ficção fortemente influenciado pela experiência de Thompson na carreira jornalística. O filme é baseado no livro e relata a história do jornalista itinerante Paul Kemp, interpretado por Johnny Depp, amigo íntimo de Hunter S. Thompson.

O enredo mostra Paul Kemp cansado da vida frenética de Nova Iorque e das convenções morais de uma América conservadora. Para fugir desse mundo ao qual ele não se encaixava, ele viaja à bela ilha de Porto Rico, para trabalhar em um jornal local, o “The San Juan Star”. Com uma rotina regada a muito rum, Paul começa a se apaixonar por Chenault (Amber Heard), noiva de Sanderson, um dos maiores empresários da cidade que pretende converter Porto Rico num paraíso do capitalismo. Kemp é recrutado por Sanderson para escrever um artigo favorável a respeito de sua nova e corrupta empreitada, no entanto, fica confuso entre escrever uma matéria comprada ou investigar o caso de corrupção e denunciar o empresário.

Paul Kemp foi interpretado por Johnny Depp, amigo íntimo de Hunter S. Thompsom. Na foto Thompsom e Depp

Paul Kemp foi interpretado por Johnny Depp, amigo íntimo de Hunter S. Thompsom. Na foto Thompsom e Depp

 

4 – Quase Famosos, 2001, EUA

O personagem central é um adolescente de 15 anos que consegue trabalho como repórter da revista Rolling Stone, periódico que utiliza o Jornalismo Literário como estilo de escrita. O garoto cobre a turnê de um grupo de rock (banda Stillwater) pelos EUA. No filme vemos a imersão do repórter na realidade do rock dos anos 70 e sua subjetividade textual cheia de vibração e fascínio.

Na vida real, o adolescente se chamava Cameron Crowe, roteirista do filme, que roteirizou “Quase Famosos” usando memórias próprias. Crowe, também com 15 anos na época, acompanhou parte da turnê da banda Led Zeppelin. Outra referência a realidade é a existência do personagem interpretado por Philip Seymour Hoffman (mesmo ator que interpretou Truman Capote), o crítico Lester Bangs, que faleceu em 1982. Bangs foi um grande nome do jornalismo cultural americano, especialista em produção musical.

5 – Outubro, 1928, URSS

O filme foi baseado em uma das maiores obras de Jornalismo Literário mundial: o livro “Os Dez dias que abalaram o mundo”, de John Reed (1887-1920). Escrito em primeira pessoa, o livro reportagem relata com destreza e realismo extremo os episódios da Revolução Bolquevique na Rússia, em 1917. A obra é essencial para a compreensão das lutas trabalhistas do início do século XX e da formação política ideológica atual.

O filme, feito com o roteiro do próprio John Reed, foi patrocinado pelo regime soviético e serviu para celebrar o 10º Aniversário da Revolução Soviética de 1917. Devido a referência ao livro o longa também é conhecido como “Os Dez dias que Abalaram o Mundo”. Para os padrões do período foi considerado uma superprodução, utilizando gente do povo que havia realmente participado da Revolução Russa nas ruas.

John Reed entrou para o hall de grandes jornalistas da história com a impressionante obra "Os dez dias que abalaram o mundo", livro clássico também do Jornalismo Literário

John Reed entrou para o hall dos grandes jornalistas da história com a impressionante obra “Os dez dias que abalaram o mundo”, livro clássico também do Jornalismo Literário

*Fontes pesquisadas: Observatório da Imprensa, IMDb, Journal The Independent , Adoro Cinema.

Anúncios

2 pensamentos sobre “Filmografia sobre Jornalismo Literário #1

  1. Deixo mais uma dica de filme, que não tem também no segundo post: O Clube do Bang-Bang, baseado em livro homônimo. É sobre a cobertura fotográfica de conflitos na África por 4 repórteres. Muito bom!

  2. Pingback: Filmografia sobre Jornalismo Literário #3 | Jornalismo Literário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s