Proa, uma revista de Jornalismo Literário

O Jornalismo Literário no Brasil ainda se encontra em expansão. Longe de ter um espaço considerável entre as formas tradicionais de fazer jornalismo (como acontece nos Estados Unidos), o JL aparece em pequenas iniciativas e esporádicos acontecimentos pelo País.  A “Revista Proa” é um exemplo disto. Coordenada pelos professores do curso de Jornalismo da UFSM (Universidade Federal de Santa Maria), Paulo Roberto Araújo e Viviane Borelli, a revista, que possuí uma linha editorial voltada para a humanização do relato jornalístico, já ganhou três edições, sendo a última lançada nesta segunda-feira (17), em Santa Maria, Rio Grande do Sul.

Na mais recente edição da “Proa”, a repórter Kamila Baidek assina a matéria de capa com a reportagem “No meio do caminho tem uma floresta”. Para realizar a pauta, a repórter viajou até o interior paraense para conhecer uma família que trocou sua casa na cidade de Tucumã para viver em meio à mata amazônica.

Esta edição, assim como as duas anteriores está disponível online no portal “Issuu”:  issuu.com/proa_revista. Nas edições da Revista Proa, o leitor encontra reportagens e perfis escritos no estilo Jornalismo Literário, além de resenhas, crônicas e ensaios fotográficos.

Abaixo uma entrevista com um dos coordenadores da publicação: o professor de jornalismo Paulo Roberto Araújo. O início do projeto, as influências da revista, o futuro da “Proa” e a relação dos alunos de jornalismo com o Jornalismo Literário foram temas abordados. Confira:

JL Blog – Como surgiu a ideia de lançar a Revista Proa? Foi uma iniciativa dos alunos, dos professores ou de ambos?

Paulo Roberto Araújo – Desde de 1982 trabalho com técnicas da literatura de ficção em matérias jornalísticas (jornal e rádio), nas disciplinas do Curso. A partir de 2006, criamos a disciplina de Jornalismo Literário. Desde então, aumentou a produção de texto, sem ser publicada. Minha colega Viviane Borelli (que fora minha orientanda, no TCC, em Jornalismo Literário – hoje já duas vezes coordenadora de cursos de Jornalismo), na disciplina de Produção Gráfica, dividiu, em determinado semestre, a turma em grupos, para elaborarem o projeto de um produto gráfico. Formou-se um grupo de alunos, que cursavam Jornalismo Literário. Esse grupo elaborou o projeto de uma revista de jornalismo literário, com o nome Proa, relacionado à viagem de navio.

Viviane, me convidou para colocar o projeto gráfico em prática, com as matérias produzidas em Literário.

Os professores e coordenadores da Revista Proa Viviane Borelli e Paulo Roberto Araújo no lançamento da primeira edição da publicação em 2012

Os professores e coordenadores da Revista Proa Viviane Borelli e Paulo Roberto Araújo no lançamento da primeira edição da publicação em 2012

JL Blog – Qual foi a proposta da revista (linha editorial)? Foi inspirada em algum periódico existente?

Paulo Roberto Araújo – Nossa linha editorial é a humanização do relato jornalístico, através do estilo Jornalismo Literário. Penso que há várias influências, como a da Revista Realidade.

JL Blog – A Revista Proa lançou sua última edição nesta segunda, 17 de março. Haverá outras edições da revista?

Paulo Roberto Araújo – O projeto será interrompido, porque eu e Viviane estamos sem tempo para abraçá-lo, como vinhamos fazendo.  A revista, no entanto, continua com a versão digital. Brevemente teremos uma edição especial, com o trabalho produzido e editado no último semestre letivo. A possibilidade desses trabalhos continuarem é o eventual ingresso de novos professores, que quando estudantes tenham cursado Jornalismo Literário e tenham também sido monitores da disciplina.

JL Blog – Qual a relação entre os alunos e o universo do Jornalismo Literário? Há uma identificação maior com essa disciplina?

Paulo Roberto Araújo – Há uma identificação de parte significativa dos alunos com a temática Jornalismo Literário, nem todos, no entanto, cursam a disciplina, porque no plano de aula tem uma bibliografia grande para leitura, seminários e a disciplina é optativa. Já houve casos de estudantes permanecerem no curso e se graduarem como consequência do Jornalismo Literário. Há poucos dias, uma formanda ingressou no mestrado de Escrita Criativa, da PUC de Porto Alegre, e um formando na Oficina de Criação Literária da mesma universidade. Dois outros participaram do programa Itaú Cultural, com trabalhos produzidos em Jornalismo Literário. Vários receberam prêmios. Muitos fazem seu trabalho de conclusão de curso (TCC) em Jornalismo Literário. Neste semestre letivo, recém iniciado, tenho dois orientandos. No semestre passado outros dois.

Revista Proa: uma revista de Jornalismo Literário

Revista Proa: uma revista de Jornalismo Literário

JL Blog – Que conclusões você chega ao fim do projeto? Quais certezas (ou novas dúvidas) resultaram da experiência?

Paulo Roberto Araújo – Concluo que o projeto motivou uma produção diferenciada, criativa de matérias jornalísticas, já que desde a pauta tem-se uma postura singular. Que os estudantes que passam pela disciplina e pela revista saem com mais segurança. Que o projeto divulga o trabalho universitário, sublinhando que há outra, senão outras, maneiras de fazer jornalismo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s